Que bom que você está aqui!

É com prazer que te recebo neste espaço! Esta "casa" virtual está em permanente construção e em cada "cômodo" há uma inquietante necessidade de fazer diferente! Meus textos, relatos e imagens buscam apresentar a você os passos que constituem minha caminhada pessoal, profissional e acadêmica. A partilha que faço não intui caracterizar-se por uma postura doutrinária, autoritária ou impositiva-opressora, mas ao contrário, apresenta-se como ato solidário (jamais solitário) de contribuição à discussões humanas, planetárias e éticas!

Como educador me vejo no compromisso de participar do processo histórico de libertação dos oprimidos, marginalizados e esquecidos, a começar por mim. Despindo-me de qualquer resquício de arrogância, prepotência e soberba apresento-me como aprendente num contexto de intensa renovação de conceitos e atitudes!

Assim lhe convido a juntos pensarmos em nossa condição de partícipes da grande Salvação! Salvação plena do homem e da mulher místicos, políticos e planetários!

Fraterno abraço!




Casa Rosada - sede do governo argentino. Em frente está a Praça de Maio. É um local em que é possível conhecer um pouco da história e da cultura argentina.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Plano de ensino de Biologia

"Proclamar o saber científico não é fazê-lo superior aos demais, mas é pô-lo a serviço da redenção da vida, promovendo-a e preservando-a, numa atitude solidária e de com-paixão planetária".

PROFESSOR: Ms. NILTON BRUNO TOMELIN.

www.profniltonbrunotomelin.blogspot.com
niltonbt@sed.sc.gov.br

BENEDITO NOVO, FEVEREIRO DE 2010.

PRESSUPOSTOS FILOSÓFICOS E METODOLÓGICOS DA DISCIPLINA DE BIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO


Costuma-se imaginar a ciência como um conhecimento técnico, estático, produzido por mentes privilegiadas. De fato é um conhecimento técnico, porém o que lhe confere maior credibilidade histórica é o fato de ser flexível e emanar de cada sujeito. Imaginação, criatividade e curiosidade são expressões vivas do sujeito autor de sua própria formação Para tal não há privilégios, senão a inserção do sujeito no universo dos conceitos, dos saberes e da dinâmica de sua (re)construção. Ao longo do ano de 2009 percebeu-se a necessidade de educandos e educandas de se inserirem neste meio. Ao contrario do que se possa imaginar, nosso público não recebe grandes quantidades de saberes dos universos externo a escola (TV, jornais, Internet). Estes veículos lhe conferem informações, despidas de historicidade, contextualidade, vida. A escola deverá cumprir o papel de fazer o jovem perceber que cada fato tem uma razão de ser, uma lógica e uma dinâmica histórica, temporal.

Eis um dos grandes desafios da educação: fazer com que educandos(as) e educadores(as) revelem suas necessidades por saberes significativos, históricos, temporais, humanos e vivos. Assim, a educação, como eixo norteador da (trans)formação de um ser cidadão exige dos envolvidos no processo de sua execução laborativa, um comprometimento com o novo e desafiador. Neste contexto a disciplina de Biologia desempenha um papel de grande relevância, podendo contribuir sobremaneira na formação científica, tecnológica e crítica do indivíduo. Mais do que simplesmente oferecer conhecimentos é fundamental empreender no aluno condições para que este saiba o alcance destes. Uma análise de cunho epistemológico permite identificar ideologias e intenções que se cunham no cenário de processo educativo.

O Ensino de Biologia no ensino médio não deve ser encarado como um complemento do que se trata na disciplina de ciências no ensino fundamental, mas como uma nova etapa em que se quer desenvolver no indivíduo (discentes), importantes alterações de concepção e leitura de mundo:
 Compreensão de sua inclusão no meio ecológico;
 Análise de sua ação frente ao meio em que vive;
 Implicações econômicas, sociais e culturais das ações desordenadas sobre o meio ambiente;
 Capacitação do sujeito nos aspectos crítico, criativo e curioso, tornando agente de construção de novos conceitos;
 Reconhecimento das implicações ideológicas e intencionais que se mascaram na seqüência dos conteúdos;
 Compreensão do indivíduo numa totalidade, entendendo o homem como um ser bio-sócio-pscio-transcendente.
 Perceber a vida como valor coletivo, planetário e essencial.

A disciplina de Biologia, assim como as demais do curso inevitavelmente também pode e deve oferecer subsídios para que o aluno possa dispor de conhecimentos que lhe permitam disputar vagas em diversos concursos, porém, que o faça de forma proveitosa, construtiva, humana e solidária.

Um aspecto importante é contemplar ou pelo menos buscar a trasndisciplinaridade que segundo D’Ambrósio (1999:32) é “um enfoque holístico ao conhecimento que procura levar a essa conseqüências e se apóia na recuperação de várias dimensões do ser humano para a compreensão do mundo na usa integralidade”. Assim, ao contrário do que se encontra nos livros didáticos, os conhecimentos são complexos saberes que fazem sentido e se expressam, na essência humana, como expressões de solidariedade, planetariedade e eticidade.

O desenvolver de um conteúdo proposto, deve acima de tudo despertar o interesse do aluno, inserindo o referido conteúdo no seu cotidiano, valendo-se de experiências vivenciadas pelos próprios alunos. Não se trata de cientificizar qualquer conhecimento ou informação. Mas com base neste tipo de trabalho desejamos iniciar um processo de aprendizagem em que o aluno construa seus próprios conceitos e leve para a sua realidade diária. Neste sentido a ciência permite que o cotidiano se torne mais compreendido e que ela mesma se torne mais acessível.

Como parte de um universo em constante mutação a educação e aqui de modo particular o ensino de Biologia, se alicerça na unidade entre os conteúdos trabalhados, dentro da própria disciplina e também com as outras do currículo. Na visão de D’Ambrósio a interdisciplinaridade é colocar diversos pássaros (disciplinas) numa mesma gaiola (currículo) e a transdisciplinaridade é soltar estes pássaros para que tomem os rumos que lhe são mais construtivos. Não podemos encarcerar o conhecimento por uma mera grade curricular, mas por um projeto que permita navegar e experimentar o novo.

O presente plano tem como propósito a busca constante da aproximação com outras áreas do conhecimento, alimentando-se de conceitos nelas encontrados, e a elas oferecer subsídios para que continuem sua caminhada rumo a um desenvolvimento científico dinâmico e contínuo. Neste sentido parafraseio Freire (2000) o qual afirma que a educação da resposta não ajuda em nada a curiosidade indispensável ao processo cognitivo. Ao contrário, ela enfatiza a memorização mecânica dos conteúdos, que não revela nenhum significado. É necessário estar sempre à espera de que um novo conhecimento surja, superando outro, que já tenha sido novo, envelheceu. Assim prender-se ao conteúdo livresco corre-se o risco de fazer o aluno redescobrir a roda.


As atividades de cunho transdisciplinar merecem um destaque especial no sentido de que elas devem servir de elo entre os conhecimentos e suas aplicações cotidianas. Assim, a Biologia não será apenas a disciplina que trata de assuntos referentes a natureza, mas também a ciência que em consórcio com um verdadeiro universo de produção do saber, passa a fomentar discussões de cunho social, econômico e político.

As discussões acima propostas exigem uma mudança de paradigmas, onde a escola não será apenas a repassadora de conteúdos prontos e acabados, mas a responsável direta por um enriquecimento contínuo do potencial de criatividade, curiosidade e criticidade.

O plano ora exposto fundamenta-se no que propõe a Proposta Curricular do Estado de Santa Catarina em consonância com os Parâmetros Curriculares Nacionais e com as experiências vividas, bem como nas informações angariadas em cursos de aperfeiçoamento recentemente realizados.

O desenvolvimento de atividades sócio-interativas, como viagens de estudos, feiras integradas, palestras e outros correspondem a algumas das atividades que seguramente nos permitem alcançar resultados mais promissores e que se adequam ao que propusemos.

Uma forma importante e significativa de se buscar estes conceitos é a utilização das tecnologias no processo educativo. Assim é possível explorar diferentes universos e contextos não-físicos no sentido de garantir a compreensão da complexidade que envolve o universo humano e planetário. Segundo LEMOS (2006)

“O espaço do saber é criado a partir da expansão das mídias de comunicação e dos meios de transportes modernos (paradoxalmente existe um relação direta entre a locomoção e as mídias) e, principalmente com o nascimento de uma nova economia baseada na aceleração de trocas, na abolição de limites geográficos e com o surgimento do tempo real”.

Essa velocidade com que os acontecimentos se sucedem é fundamental para que a educação possa estabelecer um vinculo de interesses e curiosidades de tal envergadura que possa efetivamente ser vista como formadora de novos seres humanos.

























1a SÉRIE DO ENSINO MÉDIO
OBJETIVOS




1. Conhecer historicamente a biologia;
2. Entender o homem como ser biológico;
3. Identificar as principais aplicações do conhecimento em biologia;
4. Perceber ideologias e intenções no trato de determinados assuntos no livro didático;
5. Perceber a presença da biologia nas diversas áreas do conhecimento;
6. Identificar a presença de conhecimentos de outras áreas inseridos nos conteúdos de Biologia;
7. Compreender os diversos níveis de organização dos seres vivos;
8. Saber que os seres vivos podem ser classificados de acordo com muitos critérios;
9. Reconhecer a célula como uma estrutura de vida semi-independente;
10. Perceber a interação entre os diversos seres vivos e a contribuição disto na evolução.
11. Diferenciar os seres vivos pelo seu grau de complexidade;
12. Identificar os principais componentes químicos das células;
13. Conhecer os principais compostos que constituem um ser vivo;
14. Compreender as principais funções dos componentes químicos de uma célula e os mecanismos enzimáticos envolvidos;
15. Compreender as principais estruturas dos ácidos nucléicos;
16. Identificar a importância dos genes para a existência da vida no planeta;
17. Conhecer o mecanismo da fotossíntese;
18. Perceber a importância da produção energética durante a fotossíntese;
19. Compreender o mecanismo da respiração celular;
20. Identificar os principais meios de respiração encontrados entre os seres;
21. Perceber a célula como uma grande estrutura auto-organizativa;
22. Reconhecer a presença da membrana plasmática na célula;
23. Conhecer os mecanismos microscópicos de observação celular;
24. Diferenciar os principais tipos de membranas;
25. Determinar os principais componentes químicos das membranas celulares;
26. Compreender os principais mecanismos de transporte nas membranas;
27. Conhecer os mecanismos de pinocitose e fagocitose;
28. Identificar os seguintes organelas celulares: mitocôndrias, lisossomos, complexo golgiense, retículos endoplasmáticos, ribossomos, centríolos, cílios e flagelos, peroxissomos, hialoplasma, carioteca, nucleoplasma, nucléolo e cromatina, entre outras estruturas;
29. Compreender as principais funções metabólicas desempenhadas pelos elementos do item anterior;
30. Conhecer a importância da divisão celular nos principais tipos de organismos vivos;
31. Perceber o comportamento da célula durante a divisão celular;
32. Reconhecer as principais etapas da divisão celular;
33. Diferenciar mitose de meiose;
34. Conhecer o processo de duplicação cromossômica;
35. Determinar as características da meiose e os fenômenos de mutação e permutação que nela podem ocorrer;
36. Compreender a importância da variabilidade genética;
37. Identificar os principais tipos de tecidos do corpo humano;
38. Conhecer as principais características do câncer;
39. Compreender que o câncer é uma doença que apesar de genética pode ser evitada e ainda curada.
40. Identificar os principais órgãos reprodutores masculino e feminino;
41. Reconhecer o papel das gônadas nos indivíduos adultos;
42. Perceber a constante interação entre os diversos tipos de organelas e tecidos;
43. Caracterizar as principais síndromes e anomalias decorrentes de distúrbios gênicos em humanos.

































1a SÉRIE DO ENSINO MÉDIO – CONTEÚDOS









PRIMEIRO
BIMESTRE • Conceituação de Biologia;
• Divisões de Biologia;
• Contribuições da Biologia em outras ciências;
• Insersão de conhecimentos de outras áreas na Biologia;
• Níveis de organização dos seres vivos;
• Noções preliminares de célula;
• Substâncias orgânicas e inorgânicas que constituem uma célula;
• Os principais componentes das células:
 Carbono;
 Hidrogênio;
 Oxigênio;
 Nitrogênio.
• Os principais compostos que constituem as células:
 Protídios:
 Enzimas;
 Hormônios;
 Outros.
 Glicídios;
 Lipídios;





SEGUNDO
BIMESTRE • Ácidos nucléicos;
• A descoberta dos gens;
• Mecanismo de produção de energia pela fotossíntese;
• Mecanismo de respiração celular;
• Os diferentes tipos de respiração celular;
• O desenvolvimento de estruturas orgânicas para a respiração celular;
• A interação entre os diversos mecanismos celulares;
• O comportamento da célula frente a implicações psicológicos;
• A capacidade organizativa da célula.
• Membrana plasmática;
• Os tipos de membrana presentes na célula;
• Funções da membrana plasmática na célula;
• Transporte ativo e transporte passivo;
• Fagocitose e pinocitose.







TERCEIRO
BIMESTRE • Funções dos seguintes organelas celulares:
 Mitocôndria;
 Complexo golgiense;
 Lisossomos;
 Retículos endoplasmáticos;
 Ribossomos;
 Peroxissomos;
 Centríolos;
 Cílios e Flagelos;
 Hialoplasma;
 Carioteca;
 Cariolinfa;
 Nucléolos;
 Cromatina.
• Mecanismo das principais funções metabólicas;
• Divisão celular nos seres vivos;
• Características e etapas da mitose.




QUARTO
BIMESTRE • Os principais tipos de tecidos presentes no organismo humano;
• O fenômeno do câncer;
• Atitudes que podem evitar a doença
• Características da meiose;
• Definição de:
 Síndrome da Down;
 Síndrome de Turner;
 Síndrome de Klineffelter;
• Aparelhos reprodutores masculino e feminino;
• As funções das gônadas;
• As etapas de uma gestação;
• Aborto espontâneo e provocado;
• Métodos contra-aceptivos;
• Aspectos éticos e morais do aborto e da contra-acepção.






















2a SÉRIE DO ENSINO MÉDIO
OBJETIVOS


1. Reconhecer a diversidade de seres vivos;
2. Perceber as principais interações entre os seres vivos;
3. Saber que podem existir diversas maneiras de se classificar os seres vivos;
4. Conhecer o atual sistema de classificação de seres vivos (sistema de Linneu);
5. Identificar os principais táxons;
6. Perceber o sentido evolutivo da sistemática classificatória;
7. Identificar os principais reinos;
8. Conhecer as características de um vírus;
9. Abordar as principais doenças causadas por vírus;
10. Compreender as principais características de um monera;
11. Caracterizar os elementos do reino protista;
12. Perceber a presença dos fungos no meio biótico;
13. Diferenciar evolutivamente os seguintes grupos vegetais:
• Algas;
• Briófitos;
• Pteridófitos;
• Gimnospermas;
• Angiospermas.
14. Perceber a função ecológica de cada grupo estudado;
15. Identificar aspectos evolutivos que marcaram a grande diversidade destes indivíduos;
16. Compreender a lógica da sucessão ecológica;
17. Identificar as principais utilidades econômicas dos grupos acima citados;
18. Conhecer as principais estratégias para a exploração das matas, mares, rios e lagos e as implicações ideológicas envolvidas;
19. Reconhecer as relações estabelecidas com o reino animal;
20. Rever o processo de fotossíntese;
21. Compreender que num mesmo ser vivo inúmeros processos ocorrem simultaneamente e se tornam dependentes entre si;
22. Identificar os principais tipos de vegetais de nossa região e do Brasil;
23. Perceber a relação entre o tipo de vegetação e o tipo de solo;
24. Conhecer a exploração que se encarna na intenção de tornar a natureza útil ao homem.
25. Compreender a função decompositora dos fungos e bactérias;
26. Perceber a indispensabilidade de cada ser vivo no meio biótico;
27. Conhecer a ideologia que “justifica” o plantio dos transgênicos;
28. Identificar a real intenção da aceitação dos transgênicos.
29. Caracterizar o reino Animmalia;
30. Identificar os principais grupos de animais;
31. Reconhecer os principais grupos de invertebrados;
32. Perceber entre os invertebrados, aspectos evolutivos que os fizeram atingir a categoria dos vertebrados;
33. Compreender as principais relações ecológicas estabelecidas entre os grupos de invertebrados;
34. Perceber as características que diferenciam e assemelham os grandes grupos de invertebrados;
35. Justificar o grande número de alguns gêneros de invertebrados;
36. Identificar doenças causadas por alguns invertebrados;
37. Reconhecer alguns invertebrados de grande utilidade econômica;
38. Determinar o elo de ligação entre os vertebrados e os invertebrados;
39. Diferenciar os principais grupos de vertebrados;
40. Caracterizar cada grupo de vertebrados;
41. Identificar diferenças e semelhanças entre os grupos de vertebrados;
42. Reconhecer o homem como vertebrado;
43. Conhecer as principais utilidades ecológicas e econômicas dos vertebrados;
44. Perceber características evolutivas entre os principais vertebrados;
45. Determinar as principais relações estabelecidas entre os vertebrados e os demais grupos de seres vivos;
46. Compreender a distribuição dos animais na biosfera;
47. Conhecer a distribuição geográfica dos principais grupos de animais;
48. Perceber a manipulação humana sobre os outros animais;
49. Identificar algumas espécies de animais de nossa região;
50. Reconhecer alguns animais em extinção;
51. Compreender a lógica na linha de extinção natural.



























2a SÉRIE DO ENSINO MÉDIO - CONTEÚDOS









PRIMEIRO
BIMESTRE
• Classificação dos seres vivos segundo Linneu;
• Os principais táxons;
• Características dos principais reinos;
• Identificação biológica de um vírus;
• As principais viroses;
• Características do reino monera;
• Doenças causadas por bactérias;
• Características dos protistas;
• Principais tipos de “algas” protistas;
• Principais grupos de protozoários;
• Doenças causadas por protozoários;
• Características dos fungos;
• A ação decompositora dos fungos e das bactérias;
• Mecanismos reprodutivos dos grupos estudados;







SEGUNDO
BIMESTRE
• Características dos seguintes grupos de vegetais:
 Algas;
 Briófitas;
 Pteridófitas;
 Gimnospermas;
 Angiospermas.
• Utilidades econômicas e ecológicas de cada grupo;
• Aspectos evolutivos dos grupos;
• Relações estabelecidas entre os grupos;
• Importância de cada grupo na manutenção do equilíbrio ecológico;
• Relação entre estes grupos e os tipos de solo de cada região do Brasil;
• Os principais tipos de vegetais e fungos encontrados no nossa região;
• Características dos principais tipos de doenças causados por vírus, protozoários, bactérias e fungos.
• As relações entre o poder político e a exploração do meio ambiente;
• A massificação e o monopólio criado pelos transgênicos.








TERCEIRO
BIMESTRE
• Características gerais dos animais;
• Características dos seguintes grupos:
 Poríferos;
 Cnidários;
 Platelmintos;
 Nematelmintos;
 Anelídeos;
 Moluscos;
 Artrópodes;
 Equinodermes;
• Utilidades econômicas e ecológicas dos invertebrados;
• Doenças causadas por alguns invertebrados;
• Os invertebrados mais numerosos;
• Características dos seguintes grupos:
 Protocordados;
 Urocordados;
 Cefalocordados;
• O elo de ligação entre os invertebrados e os vertebrados;





QUARTO
BIMESTRE • Características dos principais grupos de vertebrados:
 Peixes: condríctes e osteíctes;
 Anfíbios: ápodes, anuros e urudelos;
 Répteis: ofídios, crocodilianos e quelônios;
 Aves: ratitas e carinatas;
 Mamíferos: monotrêmatos, marsupiais, cirênios, quirópteros, carnívoros, artiodátilos, pecilodáctilos, roedores, edentados, proboscídeos e mamíferos;
• Identificação de características evolutivas em cada grupo;
• Utilidades econômicas e ecológicas dos vertebrados;
• Relações estabelecidas entre os principais elementos vertebrados.


















3a SERIE DO ENSINO MÉDIO
OBJETIVOS


1. Rever os principais conceitos relacionados a reprodução;
2. Identificar os principais mecanismos de reprodução sexuada;
3. Compreender a gametogênese masculina e feminina;
4. Rever os processos de mitose e meiose;
5. Diferenciar células diplóides de células haplóides;
6. Conhecer as principais estruturas componentes do material genético;
7. Compreender a lógica dos trabalhos de Mendel;
8. Identificar as características dos trabalhos de Mendel;
9. Caracterizar a primeira lei de Mendel;
10. Conceituar genótipo e fenótipo;
11. Conhecer a segunda lei de Mendel;
12. Identificar dominância incompleta e co-dominância;
13. Perceber a teoria de alelos múltiplos associada ao sistema ABO;
14. Compreender as interações alélicas e não-alélicas;
15. Identificar gens dominantes de recessivos;
16. Reconhecer alguns dos mais importantes tipos de relações gênicas presentes no ser humano;
17. Conhecer a teoria cromossômica da herança;
18. Identificar a importância do “crossing-over”;
19. Compreender os mecanismos de permutação;
20. Construir mapas gênicos;
21. Identificar os cromossomos sexuais;
22. Conhecer a teoria da cromatina sexual;
23. Compreender as principais síndromes e aberrações cromossômicas;
24. Caracterizar a engenharia genética como uma ciência presente no nosso cotidiano;
25. Perceber a importância do cultivo de colônias de bactérias e vírus para a descoberta de inúmeras propriedades genéticas dos seres vivos;
26. Conhecer o mecanismo de clonagem de moléculas e células;
27. Compreender a teoria dos transgênicos;
28. Conhecer as principais teorias da origem da vida;
29. Compreender as leis da evolução da vida;
30. Identificar os trabalhos de Lamarck e Darwin;
31. Compreender o sistema de identificação de fósseis;
32. Perceber os conceitos de anatomia comparada;
33. Conhecer os principais fatores evolutivos;
34. Identificar a ação da evolução nas espécies;
35. Perceber a ação evolutiva na espécie humana;
36. Conceituar adaptação;
37. Compreender os mecanismos de seleção natural;
38. Identificar o mecanismo de especiação;
39. Conhecer as influências dos diversos tipos de isolamento sobre a evolução das espécies;
40. Caracterizar o surgimento dos grandes grupos de seres vivos;
41. Compreender a teoria dos elos perdidos;
42. Perceber o caminho evolutivo humano;
43. Identificar as características que marcam o homem moderno;
44. Conhecer os caminhos do homem para chegar a América.
45. Conceituar ecologia;
46. Inserir o ser humano no contexto ecológico;
47. Identificar os níveis de organização ecológica;
48. Conceituar: população, comunidade, ecossistema e biosfera;
49. Diferenciar cadeia de teia alimentar;
50. Conceituar energia e seu fluxo;
51. Ciclos dos principais elementos constituintes dos seres vivos;
52. Compreender a teoria da dinâmica das populações;
53. Conceituar simbiose, comensalismo e parasitismo;
54. Diferenciar relações intra e interespecíficas;
55. Conceituar sucessão ecológica;
56. Conhecer os grandes biomas terrestres e brasileiros;
57. Identificar os principais biomas aquáticos;
58. Conhecer as principais ações humanas na biosfera;
































3a SÉRIE DO ENSINO MÉDIO - CONTEÚDOS



















PRIMEIRO
BIMESTRE • Principais tipos de reprodução;
• Reprodução humana;
• Idéias sobre hereditariedade;
• Composição química dos cromossomos;
• Mecanismos de duplicação cromossômica;
• Processos de divisão celular:
 Mitose: formação de células diplóides – somáticas;
 Meiose: formação de células haplóides – reprodutoras;
• História da genética;
• Trabalhos de Mendel;
• Definição de primeira lei de Mendel;
• Determinação de gens recessivos e de gens dominantes;
• Definição de genótipo e fenótipo;
• Conceituação de hibridismo;
• Noções de probabilidade;
• Definição de segunda lei de Mendel;
• Conceituação de segregação independente;
• Casos de dominância, dominância incompleta e co-dominância;
• Definição de alelos múltiplos;
• Sistema ABO;
• Interações gênicas;
• Teoria cromossômica da herança;
• Ligação gênica;
• Recombinação e permutação gênica;
• Mapeamento genético;
• Determinação cromossômica do sexo;
• Os diversos tipos de cromossomos sexuais;
• Características de:
 Síndrome de Down;
 Síndrome de Turner;
 Síndrome de Klinefelter;
• Engenharia genética;
• Uso de bactérias e vírus em experimentos gênicos;
• Teoria da clonagem molecular e celular;
• Teoria dos tansgênicos;








SEGUNDO
BIMESTRE • Teorias da origem da vida:
 Criacionismo ou fixismo;
 Abiogênese ou geração espontânea;
 Biogênese;
• Lei de Lamarck;
• Lei de Darwin;
• Comprovação da lei de Darwin pelos fósseis e pela anatomia comparada;
• Fatores evolutivos;
• Adaptação individual ou da espécie;
• Seleção natural;
• Especiação;
• Isolamentos e suas implicações evolutivas;
• A origem dos seguintes grupos de seres vivos:
 Vírus e bactérias;
 Plantas;
 Animais invertebrados;
 Animais vertebrados;
 Tetrápodes: anfíbios, répteis, aves e mamíferos;
 Evolução em primatas;






TERCEIRO
BIMESTRE
• O surgimento do Homo sapiens;
• Características do homem moderno;
• A chegada do homem a América;
• Conceito de ecologia;
• Conceituação de população, comunidade, ecossistema e biosfera;
• Teias e cadeias alimentares;
• Produção e fluxo de energia;
• Os principais ciclos da matéria;
• Fenômenos relacionados a populações;
• Simbiose;
• Relações e intraespecíficas: colônias e sociedade (harmônicas) e competição (desarmônica);
• Relações interespecíficas: protocooperação, inquilinismo, comensalismo e mutualismo (harmônicas) e amensalismo, herbivorismo, predatismo e parasitismo (desarmônicas);
• Sucessão ecológica;
















QUARTO
BIMESTRE • Biomas terrestres:
 Tundra;
 Taigas;
 Florestas temperadas;
 Florestas pluviais tropicais;
 Campos;
 Desertos;
• Biomas brasileiros:
 Floresta amazônica;
 Mata atlântica;
 Mata das araucárias;
 Cerrado;
 Campos;
 Caatinga;
 Mata dos cocais;
 Pantanal mato-grossense;
• Biomas aquáticos;
• Ação humana na biosfera.
• Conceito de ecologia;
• Conceituação de população, comunidade, ecossistema e biosfera;
• Teias e cadeias alimentares;
• Produção e fluxo de energia;
• Os principais ciclos da matéria;
• Fenômenos relacionados a populações;
• Simbiose;
• Relações e intraespecíficas: colônias e sociedade (harmônicas) e competição (desarmônica);
• Relações interespecíficas: protocooperação, inquilinismo, comensalismo e mutualismo (harmônicas) e amensalismo, herbivorismo, predatismo e parasitismo (desarmônicas);
• Sucessão ecológica;
• Biomas terrestres:
 Tundra;
 Taigas;
 Florestas temperadas;
 Florestas pluviais tropicais;
 Campos;
 Desertos;
• Biomas brasileiros:
 Floresta amazônica;
 Mata atlântica;
 Mata das araucárias;
 Cerrado;
 Campos;
 Caatinga;
 Mata dos cocais;
 Pantanal mato-grossense;
• Biomas aquáticos;
• Ação humana na biosfera.








ESTRATÉGIAS DE AVALIAÇÃO



A avaliação sempre representou um grande desafio ao educador um vez que ela pode traduzir um resultado nem sempre favorável ao trabalho realizado e geralmente é traumática para o discente. Por outro lado se sabe que a avaliação está sempre presente na vida humana. Espera-se que a avaliação se torne parte de um processo que permita aos participantes crescer e não apenas encontrar culpados, pois o que se deve fazer é construir uma nova realidade.

Conforme afirma Dias Sobrinho (2000:80) “é não só possível como também desejável a combinação de metodologias, de origem racional e positivista, como os de orientação qualitativa e sentido social e político”. Embora tratem da educação superior pode-se dizer que esta á uma excelente regra que vale para qualquer tipo de avaliação.

O processo avaliativo, como é de ciência dos educadores, vem sendo incrementado por novos modelos e metodologias que buscam transformar a avaliação que para muitos é um meio de repressão num mecanismo de análise de todo o processo de aprendizagem, servindo de termômetro para todos os envolvidos. Porém não podemos ficar apenas no termômetro que sinaliza o problema, mas no medicamento que cura e melhor ainda, no que previne para que não precisemos medicar.

A avaliação em Biologia, como em qualquer disciplina curricular é uma constante e se constituirá dos seguintes elementos:
 Uso de vídeos, DVDs de conteúdo didático (TV Escola);
 Utilização da sala de informática e dos recursos de software e hardware disponíveis;
 Leitura e interpretação de textos complementares ao livro didático;
 Elaboração de esquemas-resumo e gráficos representativos;
 Organização de trabalhos entregues on-line ou de forma magnética
 Elaboração e explicação oral de trabalhos;
 Correlação interdisciplinar em determinados assuntos;
 Provas escritas.










OBRAS RECOMENDADAS



AMABIS, José Mariano & MARTHO, Gilberto Rodrigues. Fundamentos da Biologia Moderna. São Paulo: Moderna. 1995.

BRITO, Elis Avancini & FAVARETTO, José Arnaldo. Biologia, uma abordagem evolutiva e ecológica. São Paulo: Moderna. 1997.

D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Educação para uma sociedade em transição. Campinas, SP: Papirus. 1999.

FREIRE, Paulo. À sombra desta mangueira. 3ª ed. São Paulo: Olho d’água. 2000.

GUYTON, Arthur. Fisiologia humana. 6ª edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 1998.

JOLY, Aylthon Brandão. Botânica: introdução a taxonomia vegetal. 12ª edição. São Paulo: Companhia editora nacional. 1998.

JUNQUEIRA, L. C. e CARNEIRO, José. Histologia básica. 9ª edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 1999.

MARCONCES, Ayrton. Biologia. São Paulo: Atual, 1999.

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS.

PAULINO, Wilson Roberto. Biologia. São Paulo: Ática. 2000.

PROPOSTA CURRICULAR DO ESTADO DE SANTA CATARINA.

RAVEN, Peter et al. Biologia vegetal. 5ª edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 1998.

SOARES, José Luis. Biologia. São Paulo: Scipione. 1999.

SOBRINHO, José Dias. A avaliação da educação superior. Petrópolis: Vozes. 2000.











REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS E LEITURAS RECOMENDADAS

BOFF, Leonardo. Saber cuidar: ética do humano - compaixão pela terra. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

____________. Ecologia, mundialização e espiritualidade: a emergência de um novo paradigma. 2ª edição. São Paulo: Ática. 1996.

BRÜGGER, Paulo. Educação ou adestramento ambiental? 2ª edição. Florianópolis (SC): Letras contemporâneas, 1999.

CAIRNCROSS, Francês. Meio ambiente: custos e benefícios. Tradução: Cid Knipel Moreira. São Paulo: Nobel, 1992.

DIAS, Reinaldo. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. São Paulo: Atlas, 2006.

DIAS SOBRINHO, José. A avaliação da educação superior. Petrópolis: Vozes. 2000.

D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Educação para uma sociedade em transição. Campinas, SP: Papirus. 1999.

FROTA-PESSOA, Oswaldo, GEVERTZ, Rachel, SILVA, Ayrton Gonçalves da. Como ensinar ciências. 3ª edição. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1979.

GUATTARI, Félix. As três ecologias. Tradução: Maria Cristina F. Bittencourt. Campinas: Papirus, 1990.

GURGEL, Célia Margutti do Amaral. A experimentação em sala de aula e a construção do conhecimento pelo aluno. In: O livro da experimentoteca: educação para as ciências da natureza através de praticas experimentais. Piracicaba (SP): UNIMEP/USP/VITAE, 2000.

LEMOS André L.M. As estruturas antropológicas do cyberespaço. Dispnível em: http://www.facom.ufba.br/pesq/cyber/lemos/estrcy1.html. Acessado em: 28/02/06 as 15h


MEIS, Leopoldo de. Ciência, educação e o conflito humano-tecnológico. 2ª edição. São Paulo: Editora SENAC, 2002.

MONTIBELLER FILHO, Gilberto. O mito do desenvolvimento sustentável: meio ambiente e custos sociais no moderno sistema produtor de mercadorias. 2ª edição revisada. Florianópolis: Editora da UFSC, 2004.

SILVA, Vera Lúcia de Souza e. Estudo do vivo: saber, ser e viver na sala de aula. Blumenau: Nova letra, 2000.

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Benedito Novo, Santa Catarina, Brazil
Sou Mestre em educação, graduado em Biologia e Matemática, professor da rede estadual de Santa Catarina, com experiência em educação a distância, ensino superior e pós-gradução. Sou autor e tutor de cursos na área da educação no Instituto Veritas (Ascurra) e na Atena Cursos (Timbó). Também tenho escrito constantemente para a Coluna "Artigo do Leitor" do "Jornal do Médio Vale" e para a revista eletrônica "Gestão Universitária". Fui diretor da EEB Frei Lucínio Korte (2003-2004) e secretário municipal da Educação e Promoção Social de Doutor Pedrinho (2005). Já atuei na rede municipal de ensino de Timbó. Em 2004 coordenei a campanha que conduziu à eleição do Prefeito Ercides Giacomozzi (PMDB) à prefeitura de Doutor Pedrinho. Em 2011 assumi pela segunda vez, a direção da EEB Frei Lucínio Korte.