Que bom que você está aqui!

É com prazer que te recebo neste espaço! Esta "casa" virtual está em permanente construção e em cada "cômodo" há uma inquietante necessidade de fazer diferente! Meus textos, relatos e imagens buscam apresentar a você os passos que constituem minha caminhada pessoal, profissional e acadêmica. A partilha que faço não intui caracterizar-se por uma postura doutrinária, autoritária ou impositiva-opressora, mas ao contrário, apresenta-se como ato solidário (jamais solitário) de contribuição à discussões humanas, planetárias e éticas!



Como educador me vejo no compromisso de participar do processo histórico de libertação dos oprimidos, marginalizados e esquecidos, a começar por mim. Despindo-me de qualquer resquício de arrogância, prepotência e soberba apresento-me como aprendente num contexto de intensa renovação de conceitos e atitudes!



Assim convido-o a juntos pensarmos em nossa condição de partícipes da grande Salvação! Salvação plena do homem e da mulher místicos, políticos e planetários!



Fraterno abraço!








Casa Rosada - sede do governo argentino. Em frente está a Praça de Maio. É um local em que é possível conhecer um pouco da história e da cultura argentina.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Diversidade, intolerância, ignorância e arrogância.

O mundo pós-moderno revela constantemente uma face perversa da humanidade: a intolerância. A intolerância se constitui na incapacidade de aceitar que nenhum ser humano é igual ao outro. O intolerante, por sua vez, revela outra face obscura do ser humano: a ignorância. Esta baseia-se na falta de conhecimento ou discernimento acerca de um determinado tema. Do intolerante ignorante poderá surgir outro sujeito: o arrogante. Mas afinal, qual relação se estabelece entre estes três termos e a diversidade? Explico.

A mídia noticia com certa freqüência fatos ligados a prática de atos de desrespeito e intolerância cometidas por pessoas ou grupos que defendem ideologias ou opiniões já condenadas pela humanidade e pela história. Movimentos nazistas espalhados pelo mundo, defendem a erradicação de certas etnias; outros perseguem adeptos a credos ou seitas religiosas; outros praticam o desrespeito a diversidade política. Há quem se dê ao papel de não saber conviver com a diferença de gostos artísticos, culinários, etc.

Em outros tempos, conviver com a diversidade religiosa, artística e política era considerada uma virtude, mas quando a humanidade percebeu que nenhum ser humano é igual ao outro, países como o Brasil, estabeleceram leis que obrigam as pessoas a conviver respeitosamente com o diferente. Leis como os estatutos da criança e do adolescente, da igualdade racial e do idoso, impõe que estes grupos sejam tratados de forma digna por toda a sociedade. Assim, o intolerante não é apenas uma pessoa de poucas virtudes, mas alguém que destoa da lei e do bom senso que regem nossa sociedade.

A intolerância aos diferentes, não surge espontaneamente. Tem como berço a ignorância absoluta de quem se recusa a perceber que o mundo não se resume a si próprio. Pessoas desprovidas de humildade e bom senso manifestam suas opiniões como sendo verdades absolutas, únicas, contra as quais não aceitam qualquer contraponto. Assim a intolerância nascida em berço esplendido de ignorância, induz a arrogância.

A ignorância, sentimento medíocre que faz o seu portador, emitir opiniões e estimular atitudes preconceituosas, gera sofrimento, dor e até morte. O deplorável papel do sujeito intolerante-ignorante-arrogante caracterizou-se, através da história, por sua violência e profundo desrespeito à vida. Graças a este tipo de sujeito, num passado recente, indígenas foram mortos, judeus massacrados e negros escravizados.

O que se observa, através de manifestações sutis pela mídia, é que ainda convivemos com pessoas incapazes de aceitar o fato de que há quem pense diferente. Ao contrário, consideram os diferentes menores, medíocres, ordinários e até ridículos. Sua arrogância revestida de preconceitos os convence de que seu exemplo representa uma esperança de salvação para o resto da humanidade.

Pregar a tolerância e o convívio respeitoso entre os diferentes não é uma virtude de poucos, mas um dever coletivo. Nenhum ser humano é menor por não pensar conforme a maioria, por pertencer a uma determinada manifestação religiosa, por ser desta ou daquela origem étnica. O que embeleza o convívio e a existência de cada ser humano são as suas peculiaridades, as suas diferenças. Celebrar a diferença e procurar fazer diferente sempre que possível é pois, um ato de humanidade e um exercício de humildade.

Um comentário:

Mãos à obra disse...

Olá Professor!

Muito interessante a tua abordagem sobre a diversidade, ignorância e intolerância. Concordo plenamente com tudo o que escreveste.A intolerância de não aceitar as diferenças nos leva a ignorância, que é a falta de conhecimento e por consequência ao preconceito, afinal, procuramos no outro justamente o espelho de nós mesmos, e , quando não encontramos, na maioria das vezes, nos deparamos com o preconceito, temos dificuldade de lidar com o diferente. Mas acredito que é na diversidade que se consegue montar novas relações entre as pessoas.

Abraços,

Mariene H. Freitas

Quem sou eu

Minha foto
Benedito Novo, Santa Catarina, Brazil
Sou Mestre em educação, graduado em Biologia e Matemática, professor da rede estadual de Santa Catarina, com experiência em educação a distância, ensino superior e pós-gradução. Sou autor e tutor de cursos na área da educação no Instituto Veritas (Ascurra) e na Atena Cursos (Timbó). Também tenho escrito constantemente para a Coluna "Artigo do Leitor" do "Jornal do Médio Vale" e para a revista eletrônica "Gestão Universitária". Fui diretor da EEB Frei Lucínio Korte (2003-2004) e secretário municipal da Educação e Promoção Social de Doutor Pedrinho (2005). Já atuei na rede municipal de ensino de Timbó. Em 2004 coordenei a campanha que conduziu à eleição do Prefeito Ercides Giacomozzi (PMDB) à prefeitura de Doutor Pedrinho. Em 2011 assumi pela segunda vez, a direção da EEB Frei Lucínio Korte.